Receitas

Panqueca Gigante

Se há coisa que me deixa feliz logo de manhã é uma boa panqueca, e se for XL? Melhor ainda!

Felizmente as panquecas são permitidas na dieta baixa em fodmaps, isto se forem preparadas com ingredientes permitidos é claro. Além disso são uma ótima alternativa ao pequeno-almoço tradicional do pãozinho com manteiga, e se forem bem-feitas e com ingredientes saudáveis tornam-se ainda mais nutritivas. Esta panqueca é feita com ingredientes saudáveis e reais tornando-a deliciosa.

Receita de Panqueca Gigante

Tempo de Preparação: 10 min
Tempo de cozedura: 5 min
Tempo total: 15 min

Porções: 1 pessoa

Ingredientes

  • 40G de farinha de arroz integral
  • 1 Ovo médio
  • 50ml de bebida de amêndoa
  • 1 Colher de chá de xarope de ácer
  • Canela
  • Aroma de baunilha (opcional)
  • 1 Colher de chá de fermento
  • Óleo de coco
  • 5 Morangos
  • 5 Mirtilos
  • Açúcar em pó (opcional)
  • Xarope de Ácer
  • Lascas de Coco

Modo de preparação

  • Junte numa tigela o ovo, o xarope de ácer, o aroma de baunilha e a bebida vegetal e bata muito bem. De seguida junte ao preparado a farinha, a canela e o fermento e misture todos os ingredientes até obter um creme homogéneo.
  • Unte uma frigideira pequena com o óleo de coco e verta o preparado. Vire assim que começar a borbulhar, com a ajuda de uma espátula, e cozinhe o outro lado.
  • Acompanhe com morangos, mirtilos, lascas de coco, um fio de xarope de ácer e açúcar em pó.

Notas

  • Para uma versão vegan pode substituir o ovo por ovo de linhaça;
  • As lascas de coco ainda não foram testadas pela Monash, se tiver na 1ª fase da dieta omita-as ou substitua por coco ralado (30g).

 

Espero que gostem tanto desta receita como eu! Bom apetite,

Inês Carvalho (@lowfodmapt)

Veja também estas receitas

Bolachas de Amêndoa e Canela

Quem não gosta de umas bolachinhas deliciosas com travo a canela? Estas bolachas de amêndoa e canela são de comer e chorar por mais!
Ver Receita

Lasanha Vegetariana

Uma lasanha vegetariana versátil, simples e com bechamel caseiro.
Ver Receita

Natas do Céu

O nome desta sobremesa diz tudo.
Ver Receita

O que acha deste site

Responda a 3 questões e ajude-nos a perceber o que podemos melhorar.
As suas respostas são anónimas e ajudarão toda a comunidade a ter uma melhor experiência.

1 Eu…

(opcional)
Próxima pergunta

2 Indique, de 1 a 5, se recomendaria este website a outra pessoa.

Próxima pergunta

3 Que conteúdo gostava que continuássemos a actualizar? (seleccione apenas 2)

(opcional)
Enviar

Terei Síndrome do Intestino Irritável?

Alguma vez pensou demoradamente no que ia pedir num primeiro encontro, com receio de que a sua decisão pudesse levar a uma urgente (e inconveniente) ida à casa de banho? Procura sempre a casa de banho de qualquer espaço público assim que entra, como um espião altamente especializado? Já gastou mais em papel higiénico do que em artigos de “higiene pessoal”?

Dificuldades com a digestão são mais comuns do que possa pensar. Apesar de patologias como a SII serem frustrantes, não são definitivamente algo pelo qual deva sentir vergonha.
Começar

Fase 1

Tem, com frequência, dor ou desconforto abdominal que alivia após evacuar?

Sofre com frequência dor abdominal que provoca uma grande urgência em evacuar?

Os sintomas acima descritos duram há mais de 3 meses?

Costuma interromper as suas atividades diárias devido aos sintomas acima descritos?

Próxima pergunta

É pouco provável que seja Síndrome do Intestino Irritável. No entanto, se os sintomas persistirem ou piorarem, consulte um profissional de saúde.

Fase 2

Sente regularmente a sua barriga inchada ou distendida (pense numa gravidez de 6 meses)?

Considera os seus movimentos intestinais “irregulares” (muito frequentes ou pouco frequentes, diarreia ou obstipação)?

As suas fezes têm uma forma anormal (formato, textura, consistência)?

Tem gases com muita frequência?

Tem dificuldade em evacuar (esforço, urgência ou dor)?

Concluir

De acordo com os critérios de Roma IV, é provável que tenha SII. Aconselhamos que consulte um profissional de saúde.

Saiba mais sobre o que dizer na consulta e os tratamentos existentes para gerir os seus sintomas: