Referências cientifícas

Aqui encontra as referências usadas na criação do conteúdo deste site. As receitas são da autoria de Joana Oliveira, do blogue My Gut Feeling, e de Inês Carvalho, do @lowfodmapt. Queremos que este site seja um apoio para quem tem, ou pode ter, Síndrome do Intestino Irritável, mas não substitui de forma alguma os profissionais de saúde especializados nesta matéria, que podem ajudar de forma única tendo em conta o seu tipo de SII e os seus sintomas particulares.

Página Microbiota

Páginas Alimentação e A dieta baixa em FODMAPs: o que é e as suas 3 fases

World Gastroenterology Organization (2018). WGO Practice Guideline: Dieta e intestino

Monash University Blogue. IBS diet – your complete guide to IBS & diet 

El-Salhy et al. Dietary fiber in irritable bowel syndrome (Review). 2017 Sep; 40(3): 607–613.

About IBS – International Foundation For Gastrointestinal Disorders (2018). Dietary Fiber 

Candeias, Vanessa (DGS). Fibras Alimentares

Cancarevic et al. (2020). Is There a Correlation Between Irritable Bowel Syndrome and Lactose Intolerance?

Website Irritable Bowel Syndrome (2016). Lactose Intolerance Test

Nilholm, Clara; Roth, Bodil; Ohlsson, Bodil. 2019. “A Dietary Intervention with Reduction of Starch and Sucrose Leads to Reduced Gastrointestinal and Extra-Intestinal Symptoms in IBS Patients.” Nutrients 11, no. 7: 1662.

Canadian Digestive Health Foundation. Alcohol and IBS

Website Irritable Bowel Syndrome (2017). Coffee and IBS 

Website Irritable Bowel Syndrome (2016). Diet Management

ASAP Science (2015). Are You Consuming Your Coffee Correctly?

Monash University FODMAP Blogue (2017). Does caffeine affect IBS symptoms? 

Blogue A Little Bit Yummy (2017). Getting Started on the Low FODMAP Diet: Elimination Phase 

Blogue A Little Bit Yummy (2020). How does the FODMAP reintroduction phase work? 

Wiley Online Library (2017). Re‐challenging FODMAPs: the low FODMAP diet phase two. Supplement: Food Intolerances in Gastroenterology: FODMAPs, Gluten and Beyond. Report from Gastrodiet 2015. 2017, March; Vol. 32, Issue S1, 11-15

O que acha deste site

Responda a 3 questões e ajude-nos a perceber o que podemos melhorar.
As suas respostas são anónimas e ajudarão toda a comunidade a ter uma melhor experiência.

1 Eu…

(opcional)
Próxima pergunta

2 Indique, de 1 a 5, se recomendaria este website a outra pessoa.

Próxima pergunta

3 Que conteúdo gostava que continuássemos a actualizar? (seleccione apenas 2)

(opcional)
Enviar

Terei Síndrome do Intestino Irritável?

Alguma vez pensou demoradamente no que ia pedir num primeiro encontro, com receio de que a sua decisão pudesse levar a uma urgente (e inconveniente) ida à casa de banho? Procura sempre a casa de banho de qualquer espaço público assim que entra, como um espião altamente especializado? Já gastou mais em papel higiénico do que em artigos de “higiene pessoal”?

Dificuldades com a digestão são mais comuns do que possa pensar. Apesar de patologias como a SII serem frustrantes, não são definitivamente algo pelo qual deva sentir vergonha.
Começar

Fase 1

Tem, com frequência, dor ou desconforto abdominal que alivia após evacuar?

Sofre com frequência dor abdominal que provoca uma grande urgência em evacuar?

Os sintomas acima descritos duram há mais de 3 meses?

Costuma interromper as suas atividades diárias devido aos sintomas acima descritos?

Próxima pergunta

É pouco provável que seja Síndrome do Intestino Irritável. No entanto, se os sintomas persistirem ou piorarem, consulte um profissional de saúde.

Fase 2

Sente regularmente a sua barriga inchada ou distendida (pense numa gravidez de 6 meses)?

Considera os seus movimentos intestinais “irregulares” (muito frequentes ou pouco frequentes, diarreia ou obstipação)?

As suas fezes têm uma forma anormal (formato, textura, consistência)?

Tem gases com muita frequência?

Tem dificuldade em evacuar (esforço, urgência ou dor)?

Concluir

De acordo com os critérios de Roma IV, é provável que tenha SII. Aconselhamos que consulte um profissional de saúde.

Saiba mais sobre o que dizer na consulta e os tratamentos existentes para gerir os seus sintomas: