Na Consulta

Estou com vergonha… O que vai acontecer na consulta com o médico? 

Sinceridade acima de tudo

Não se preocupe! Não só se trata de um problema bastante comum, como os médicos já viram (e ouviram) de tudo. Se eles não se sentem envergonhados, também não há razão para se sentir. E como a SII não se revela nos testes de rotina, se tem problemas intestinais é importante falar sobre eles. Portanto, quando o médico lhe mostrar a escala de Bristol , não se preocupe – é normal. E os médicos estão habituados a este tipo de conversa. Explique o que sente o melhor que conseguir e não tenha medo de fazer perguntas se tiver dúvidas.

Diagnóstico certo

É muito importante descartar qualquer outra doença que possa estar a causar problemas antes de fazer o diagnóstico final. Por exemplo, o seu médico pode fazer testes para despistar doença celíaca antes de sugerir um tratamento. É normal que lhe sejam pedidas várias análises ao sangue e até às fezes, e que lhe sejam colocadas questões para auferir o seu histórico, entre outras coisas. A colonoscopia é menos comum, mas pode ser pedida para despiste de outras causas.

Diário alimentar

O médico fará o diagnóstico com base nos seus sintomas, historial médico e familiar. Para ajudá-lo a entender melhor o seu problema, é muito útil levar um diário sobre a sua alimentação, estado de espírito e sintomas referente às semanas anteriores. Aqui pede-se a maior honestidade e franqueza possíveis – sim, isso significa tomar nota de TODAS as coisas que comeu, bebeu e sentiu, mesmo que a/o envergonhe – para ajudar o seu médico a fazer o diagnóstico correto

É importante que diga ao seu médico se tiver outros sintomas para além de algum dos que mencionamos, uma vez que pode ser sinal de um outro problema. Alguns outros sintomas podem ser: dor contínua, localização da dor, sintomas nocturnos, febre, perda de peso não intencional, sangue nas fezes. Tudo o que sentir e observar fora do normal é digno de nota! Aponte tudo e leve para a consulta.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

O que acha deste site

Responda a 3 questões e ajude-nos a perceber o que podemos melhorar.
As suas respostas são anónimas e ajudarão toda a comunidade a ter uma melhor experiência.

1 Eu…

(opcional)
Próxima pergunta

2 Indique, de 1 a 5, se recomendaria este website a outra pessoa.

Próxima pergunta

3 Que conteúdo gostava que continuássemos a actualizar? (seleccione apenas 2)

(opcional)
Enviar

Terei Síndrome do Intestino Irritável?

Alguma vez pensou demoradamente no que ia pedir num primeiro encontro, com receio de que a sua decisão pudesse levar a uma urgente (e inconveniente) ida à casa de banho? Procura sempre a casa de banho de qualquer espaço público assim que entra, como um espião altamente especializado? Já gastou mais em papel higiénico do que em artigos de “higiene pessoal”?

Dificuldades com a digestão são mais comuns do que possa pensar. Apesar de patologias como a SII serem frustrantes, não são definitivamente algo pelo qual deva sentir vergonha.
Começar

Fase 1

Tem, com frequência, dor ou desconforto abdominal que alivia após evacuar?

Sofre com frequência dor abdominal que provoca uma grande urgência em evacuar?

Os sintomas acima descritos duram há mais de 3 meses?

Costuma interromper as suas atividades diárias devido aos sintomas acima descritos?

Próxima pergunta

É pouco provável que seja Síndrome do Intestino Irritável. No entanto, se os sintomas persistirem ou piorarem, consulte um profissional de saúde.

Fase 2

Sente regularmente a sua barriga inchada ou distendida (pense numa gravidez de 6 meses)?

Considera os seus movimentos intestinais “irregulares” (muito frequentes ou pouco frequentes, diarreia ou obstipação)?

As suas fezes têm uma forma anormal (formato, textura, consistência)?

Tem gases com muita frequência?

Tem dificuldade em evacuar (esforço, urgência ou dor)?

Concluir

De acordo com os critérios de Roma IV, é provável que tenha SII. Aconselhamos que consulte um profissional de saúde.

Saiba mais sobre o que dizer na consulta e os tratamentos existentes para gerir os seus sintomas: